Você não adicionou nenhum item ao seu pedido

Total: R$ 0,00

em 14 Fev
  • Categoria: Aprendendo Sobre Café

Em tempos de correria do dia a dia e muitas atividades físicas e mentais, a cafeína tem um papel bastante relevante para pessoas que buscam foco e energia. Por outro lado, quem tem algum distúrbio nervoso e fica facilmente agitado, também quer evitar as altas concentrações deste componente. Ou até buscar pelo descafeinado.
 
O café é uma bebida que inevitavelmente está associado à cafeína. Portanto, tanto para as pessoas que buscam mais quanto para as que buscam menos cafeína, é importante saber que tipos de café contém doses altas ou mais baixas deste composto químico.

Para esclarecer esta dúvida, mostramos em quais métodos de preparo do café teremos mais cafeína por dose. Confira!

Os métodos de preparo do café e suas concentrações de cafeína

Para começarmos a entender sobre isso é necessário saber que se as opções de café forem todas da mesma espécie - como 100% Arábica, por exemplo - a quantidade de cafeína que o grão oferece será a mesma. Mas se for escolher entre Arábica e Robusta/Conilon, essa segunda espécie tem o dobro de cafeína que a primeira.

A maneira de conseguirmos mais cafeína pode ser pela torra, onde quanto mais torrado o grão, mais cafeína ele tem, e ainda pelo método de preparo. De uma forma geral, quanto maior o tempo de infusão que o pó permanecer com a água quente, maior será a influência da cafeína na bebida. Mas vamos entender melhor agora falando sobre os principais tipos de preparo.

Ao contrário do que muitos pensam, o espresso não tem mais cafeína por parecer mais “forte”, pois leva apenas alguns segundos para sua extração se completar. Aliás, os termos forte ou extraforte, não têm nada a ver com a quantidade dela na bebida. 

Mas vamos lá: 

Enquanto em um espresso tradicional, a quantidade de cafeína contém de 90 a 200 mg, o café coado/filtrado, por exemplo, tem entre 150 e 300 mg da substância. Outros métodos, como a cafeteira italiana e a prensa francesa, até podem entregar mais cafeína por conta do tempo na água, mas para isso é preciso que os grãos sejam moídos mais finos. Se muito grossos, a extração é prejudicada pois a água “passará” mais rápido. Já entre os de cápsula não há grande variação de cafeína entre os sabores. 

Quantidade recomendada de cafeína por dia

A quantidade para ter efeito de maior disposição e estímulo do cérebro varia de pessoa para pessoa, mas normalmente a partir de uma xícara pequena com 60 ml de café já se tem um aumento no ânimo e na disposição, e esse efeito dura cerca de 4 horas.

Para perder gordura, o ideal é tomar cerca de 3 mg de cafeína para cada kg de peso. Ou seja, uma pessoa com 70 kg precisa de 210 mg de cafeína para estimular a queima de gordura, devendo tomar cerca de 360 ml de café para ter esse efeito. No entanto, é importante lembrar que não se deve passar de 400 mg de cafeína por dia, mesmo que o cálculo para o peso ultrapasse essa quantidade, o que dá cerca de quatro xícaras de 150 ml de café de coado. 

Além disso, pessoas mais sensíveis à cafeína devem evitar tomar café durante cerca de seis horas antes de dormir, para que a bebida não atrapalhe o sono. Os efeitos colaterais aparecem quando se ultrapassa a quantidade recomendada, podendo surgir sintomas como irritação do estômago, alterações de humor, insônia, tremores e palpitações cardíacas.

Vale a pena ainda ficar de olho na concentração de cafeína destas outras bebidas:

  • Chá preto - Uma xícara de chá (230 ml) tem em torno de 85 mg;
  • Chá verde - Uma xícara de chá (230 ml) tem em torno de 50 mg;
  • Chá mate - Uma xícara de chá (230 ml) tem em torno de 30 mg;
  • Refrigerantes sabor cola - Uma lata (350 ml) tem cerca de 30 mg;
  • Energéticos - Uma lata (250 ml) tem cerca de 80 mg.
Os componentes benéficos do café
 
Além de cafeína - quando ingerida nas quantidades corretas - o café também possui diversos outros nutrientes que podem ser extremamente benéficos para a saúde. Veja abaixo os principais nutrientes encontrados no café:
  • Ácidos clorogênicos – com função antioxidante, representa de 7 a 10% no café. Essas substâncias também são antibacterianas, antivirais e anti-hipertensivas;
  • Niacina – vitamina do complexo B;
  • Minerais – potássio, magnésio, sódio, ferro, cálcio, manganês, rubídio, zinco, cobre, estrôncio e outros;
  • Aminoácidos – alanina, asparagina, arginina, cisteína, glicina e outros;
  • Lipídeos – como triglicerídeos e ácidos graxos livres;
  • Açúcares – sacarose, glicose, frutose, arabinose, galactose, maltose e polissacarídeos.

Portanto, sabemos que beber café faz muito bem a saúde! Só é preciso escolher muito bem seus grãos, uma água de qualidade e ter carinho e cuidado na hora do preparo, seja qual for o método escolhido. 

Quer continuar aprendendo sobre o mundo do café? É só acompanhar o blog e as redes sociais da Brasitália e ter informações sempre atualizadas.

Compartilhe:

Comentários ()

Ninguém comentou ainda, seja o primeiro.

Escreva seu Comentário